É preciso construir e preservar a obra da vida de cada um. Esse foi o tom de uma palestra promovida pelo Crea-RN, no canteiro de uma obra no bairro do Tirol, em Natal. Duzentos e cinquenta operários da construção civil adiaram por trinta minutos o início da rotina de trabalho para conhecer o papel de cada um na prevenção dos acidentes.

A palestra foi ministrada pelo engenheiro Pedro Rosas, coordenador da Câmara de Segurança do Trabalho do Crea-RN. Ele chamou atenção para os dados do recém-criado Observatório Digital de Saúde e Segurança do Trabalho, o MPT-OIT. No período de 2012 a 2016, foram gastos no Brasil cerca de R$ 20 bilhões com o pagamento de auxílios-doença por acidente de trabalho, aposentadorias por invalidez acidentária, pensões por morte acidentária e auxílios-acidente aos trabalhadores brasileiros. ”Não há dinheiro que compense uma limitação física causada, muitas vezes, por um simples esquecimento do uso do capacete de proteção. É preciso que cada um cuide da obra de sua vida”, alertou Pedro Rosas.

A mensagem tocou o servente João Batista Bento da Silva, 36 anos. Há oito trabalhando na construção civil ele ainda não havia acompanhado uma ação como essa. “Foi a primeira vez que a gente recebeu tantas palavras de incentivo como amor aos filhos, carinho, educação…..Gostei muito do que ouvi”, disse emocionado. 

A ação, feita em parceria com a Associação Nacional de Engenharia de Segurança do Trabalho, contou com a presença do presidente da ANEST, Benvenuto Gonçalves Júnior, dos diretores do Crea-RN, Abias Vale e Estanislau Moreira e aconteceu na véspera do dia 28 de abril, Dia Mundial da Segurança e da Saúde no Trabalho, e Dia Nacional em Memória das Vítimas de Acidentes e Doenças do Trabalho. A data busca advertir sobre os perigos que um local de trabalho pode proporcionar ao trabalhador. “Existe muita desinformação. O Crea-RN priorizou trazer o tema para dentro do local de trabalho na tentativa de mostrar aos colaboradores a importância que cada um tem nesse processo”, disse Ana Adalgisa Dias, presidente do Crea-RN. 

Desde de 2017 o Conselho Regional de Engenharia e Agronomia no Rio Grande do Norte intensificou a fiscalização nas empresas e obras. Em um ano foram feitas 187 visitas para verificar a aplicação de programas, como o de Prevenção de Riscos Ambientais (PPRA) e o Programa de Condições e Meio Ambiente do Trabalho na Indústria da Construção. Também foi registrado, no mesmo período, um acréscimo de 25% na emissão no número de ART’s (Anotação de Responsabilidade Técnica) na área de segurança do trabalho o que demonstra a presença de um profissional especializado e devidamente registrado em obras e empresas.

Informações Adicionais/ Fonte Observatório Digital de Saúde e Segurança do Trabalho.

Brasil: 4º lugar em acidentes fatais
Até 10 de abril eram os seguintes os números registrados no Brasil com relação a acidentes de trabalho, segundo o site Observatório Digital de Saúde e Segurança do Trabalho.
Total de Gastos da Previdência com Benefícios Acidentários
27.432.934.606 (27 bi)
Gastos estimados desde 2012 até hoje.
R$ 1,00 gasto a cada 7 minutos.
No período 2012-2017 foram gastos R$ 26.235.501.489 com benefícios acidentários (auxílio-doença, aposentadoria por invalidez, pensão por morte e auxílio-acidente – sequelas).

Dias de Trabalho Perdidos com Afastamentos Previdenciários
319.234.311
Dias perdidos estimados desde 2012 até hoje
305.299.902 dias foram perdidos no período 2012-2017.

Acidentômetro (CATs)
4.056.833
Acidentes estimados desde 2012 até hoje.
1 acidente estimado a cada 48s.
3.879.755 CATs foram registradas no período de 2012-2017.

Mortes Acidentárias Notificadas
15.083
Mortes em acidentes estimadas desde 2012 até hoje.
1 morte em acidente estimada a cada 3h 38m 43s.
14.412 mortes acidentárias foram notificadas no período 2012-2017. 

A Organização Mundial do Trabalho (OIT) estima que dois milhões de pessoas morrem por ano por conta de doenças ocupacionais no mundo, ou seja, a cada 15 segundos, um trabalhador morre por conta de uma doença relacionada ao trabalho.

Já o número de acidentes fatais no trabalho é de 321 mil/ano. A OIT coloca o país como o quarto colocado no ranking mundial de acidentes fatais no trabalho.

Nos últimos 44 anos, houve mais de 39 milhões e 600 mil acidentes no país, que incapacitaram permanentemente cerca de 592 mil pessoas e vitimaram mais de 161 mil pessoas/ano em média no país.  

 

ANEST e CREA-RN participam da Campanha Abril Verde, alertando a sociedade sobre a importância da prevenção, citando números alarmantes de acidentes do trabalho, no país.
Classificado como:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *