Trabalhadores de aviários podem ser beneficiados com o adicional de insalubridade, apesar de a atividade não ter sido oficialmente classificada como insalubre. A Segunda Turma do Tribunal Superior do Trabalho julgou válida a concessão desse adicional quando a atividade tem semelhança com outra listada na norma regulamentadora do Ministério do Trabalho. A questão foi examinada no julgamento de recurso da Companhia Brasileira de Frigoríficos (Frigobrás), do Paraná, contra decisão de Segunda Instância que confirmou a condenação da empresa ao pagamento de adicional de insalubridade a um trabalhador que prestava serviço em seu aviário.

Pela jurisprudência do TST (OJ nº 4 da SDI1), o adicional de insalubridade é devido para atividades mencionadas na norma regulamentadora, não sendo suficiente a constatação do laudo pericial. Entretanto, o Tribunal Regional do Trabalho do Paraná (9ª Região) julgou haver semelhança entre os serviços realizados em “estábulos e cavalariças”, prevista na norma regulamentadora, e em aviários, em razão da circunstância de ambas estarem relacionadas ao trato de animais confinados. A decisão do TRT foi fundamentada na necessidade de adaptar a norma à realidade.

O que o TRT fez foi julgar por analogia, “perfeitamente admitido pelo artigo 8º da CLT e por pacífica jurisprudência”, disse o relator do recurso no TST, o juiz convocado Decio Sebastião Daidone. “Se entre uma e outra atividade, a prevista em norma e a não-prevista, há similitude de circunstâncias, é justo que se aplique a esta, aquela norma devidamente imposta em nosso sistema jurídico, sem que possa ofender o previsto na Orientação Jurisprudencial nº 4 da SDI 1”, afirmou.

De acordo com o relator, o fato de a atividade não estar oficialmente entre as atividades insalubres não desobriga o empregador do pagamento do adicional de insalubridade, principalmente quando foi constatada por perícia a existência de insalubridade no ambiente de trabalho. No caso do aviário, ele ressaltou que a insalubridade era causada pelo contato com agentes biológicos.

(RR 490003/1998 – TST, 26.02.2004)

Empregado de aviário pode receber adicional de insalubridade

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support